Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




capa_Bocage 300dpi.jpg

Título: Já Bocage Não Sou

Autor: José Jorge Letria

Editora: Guerra e Paz Editores

Páginas: 144

PVP: 12,50€

 

Lisboa, ano da graça de 1805. À boca da morte, Bocage, o poeta maldito, recorda a sua vida. Vendo a gadanha da velha senhora avançar, deixa para a posteridade o testemunho de uma existência intensa. Os longos anos passados no Oriente, as aguerridas lutas poéticas, a inveja dos poetas menores, a feroz luta contra a censura eclesiástica e os excessos fradescos, a perseguição política movida pelos «moscas» de Pina Manique e a prisão, tudo temperado por uma vida amorosa rocambolesca e libertina.

Com a combatividade que é seu timbre, José Jorge Letria traz para o nosso tempo o século xviii, um século revolucionário, gerador de novas ideias e novos sentimentos, mas também de perseguições e obscurantismo. Resgata Bocage, nome cimeiro da poesia portuguesa, figura contraditória e complexa, cuja memória transcende muito o anedotário popular e a piada fácil a que é tantas vezes associado.

 

Sobre o autor:

José Jorge Letria. É ficcionista, mas também jornalista, poeta, dramaturgo, nasceu em Cascais, em 1951. Tem livros traduzidos em mais de uma dezena de idiomas e foi premiado em Portugal e no estrangeiro, destacando-se dois Grandes Prémios da APE, o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Eça de Queiroz--Município de Lisboa e o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte.

O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia O Fantasma da Obra. Ao lado de nomes como José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, foi um dos mais destacados cantores políticos portugueses, tendo sido agraciado em 1997 com a Ordem da Liberdade. Mestre em Relações Internacionais e doutorando em Ciências da Comunicação, é presidente da Sociedade Portuguesa de Autores e do Comité Europeu de Sociedades de Autores.

Em 2014, publicou, na Guerra e Paz, o seu mais recente romance, A Volta ao Medo em 80 Dias, a que se seguiu A Vida Segundo Goya, uma conversa com o seu cão, Goya, não por acaso um cão sem pressa. Enquanto a palavra morte não couber na nossa boca, impressionante incursão memorialista, é o seu último livro, já de 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Estou a ler...



Tabela de Classificação:



WOOK - www.wook.pt